A Música como Terapia Complementar

Por acreditar que a música tem função importante na restauração do equilíbrio físico, psicológico e espiritual, e sendo a enfermagem considerada ciência humanitária por muitos estudiosos, preocupada com o estudo da natureza e do rumo do desenvolvimento humano, assumindo caráter holístico, é que desenvolvemos uma pesquisa exploratória e descritiva, favorecendo uma assistência de enfermagem humanizada, frente ao comportamento, muitas vezes solitário de idosos institucionalizados tendo a música como terapia complementar, no que se refere a evidenciar seus benefícios no bem estar dessas pessoas e, por conseguinte, elevar suas condições de saúde.

A pesquisa foi desenvolvida por alunos do Curso Técnico de Enfermagem do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, sendo realizada de novembro de 2005 a maio de 2006, com 60 idosos de uma instituição filantrópica do município de Florianópolis/SC. Evidenciamos por meio de filmagens, fotos e entrevistas, os benefícios da música como terapia complementar que atua no bem estar dos idosos, melhorando suas condições de saúde, frente ao comportamento, muitas vezes solitário em que se encontram. Esperamos assim elevar a prática do cuidado, papel fundamental da enfermagem.

No decorrer dos séculos, a música foi e tem sido motivo de discussões entre artistas, terapeutas e outros estudiosos do gênero. Sua influência na vida social, intelectual, afetiva, na promoção e recuperação da saúde do ser humano tem sido objeto de estudo de muitos teóricos. Acredita na influência da música como terapia complementar, preventiva e recuperadora, proporcionando recurso auto-expressivo, no que se refere à harmonia do corpo e da mente.

A música é uma rica linguagem de comunicação universal, possibilitando ao ser humano a demonstração de sentimentos, facilitando o controle e manejo de dor, no auxilio à percepção e ao ritmo motor, sendo utilizada em casos de deficiência física, acidente vascular cerebral, traumatismo craniano, paralisia cerebral, parkinson, alzheimer, doenças terminais ou simplesmente na ausência de enfermidades para contemplação da vida.

Tal constatação motivou averiguar os benefícios da música no comportamento de idosos institucionalizados que estão longe de familiares. Realizando oficinas de música e analisando a sua importância como prática terapêutica alternativa na assistência de enfermagem e posteriormente avaliando as filmagens, entrevistas, fotos e a participação espontânea dessas pessoas é que podemos analisar a aplicação da música no cuidado de enfermagem.

A enfermagem tem sido considerada uma ciência humanitária por muitos estudiosos, pois se preocupa com o estudo da natureza e do rumo do desenvolvimento humano, o que lhe confere um caráter holístico. Este estudo reveste-se de importância porque favorece uma assistência de enfermagem humanizada, contribuindo para o relacionamento terapêutico entre a equipe de enfermagem e a comunidade necessitada.

Giovani Cavalheiro Nogueira; Marsara de Oliveira
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina
giovani@ifsc.edu.br