Desmistificando o Preconceito Contra as Casas de Repouso

A velhice diminui progressivamente a independência e autonomia dos idosos. Muitas vezes, essa situação cria a necessidade da família intervir sobre os cuidados com o idoso, como decidir entre contratação de cuidadores, mudança do idoso para a casa de um familiar ou internação em uma casa de repouso.

Culturalmente, aprendemos que zelar pelos pais idosos é mais que uma obrigação, é uma demonstração de amor e gratidão. Antigamente os cuidados com os idosos ficavam sob a responsabilidade da família. As casas eram mais espaçosas, as famílias eram numerosas, havia vários irmãos para dividir os cuidados, além do fato que muitas mulheres ainda não estavam inseridas no mercado externo de trabalho.

Hoje em dia, a rotina diária nos impede de dedicar mais tempo às pessoas que amamos. As famílias estão cada vez mais enxutas, a maioria das pessoas tem jornadas de trabalho duplas ou até triplas, há o tempo perdido no trânsito, cuidados com filhos pequenos, moradias cada vez menores, entre outros. Somando tudo, ficamos ainda mais sobrecarregados com a preocupação sobre o bem estar e os melhores cuidados com os idosos, como alimentação adequada, medicação, segurança, higiene e companhia.

Também há um enorme preconceito, criado por casas com serviços de má qualidade, que não oferecem o mínimo de estímulo para a reabilitação de idosos, fazendo com que o idoso perca o que resta da sua autonomia, suas características pessoais, sua história, tem ignoradas suas preferências e necessidades individuais, sofrendo restrição de visitas e ficando isolado socialmente e afetivamente. Por esses motivos, algumas pessoas ainda enxergam erroneamente a opção da casa de repouso como algo negativo.

Seja por desconhecimento ou falta de informação, comparar a escolha por uma casa de repouso com um ato de abandono é uma ideia equivocada e antiquada. Uma casa de repouso tem como principal importância oferecer tratamento humanizado aos idosos, reabilitação e melhora da qualidade de vida e interação social do idoso. Tomar a decisão de levar uma pessoa querida a um local mais apropriado como uma casa de repouso, com monitoração e cuidados ininterruptos, é uma opção que se reveste de um conceito cultural abrangendo nossas crenças, valores e preconceitos. Preconceitos que devem ser rompidos. Não adianta manter o idoso na sua própria residência, sem os cuidados e a atenção que ele necessita. A velhice continua a avançar, mas a qualidade de vida tanto do idoso quanto da família podem melhorar significativamente.

A decisão do melhor local para os cuidados com o idoso deve ser feita em conjunto pelos familiares, com a presença do próprio idoso, caso ainda esteja lúcido. A opção de um idoso morar com um parente nem sempre é a melhor escolha. A situação pode gerar grande estresse, conforme a deterioração da saúde, agravamento das doenças e maior dependência, tornando toda a família doente e prejudicando tanto o idoso quanto os familiares. Conforme os cuidados ficam mais complexos, o bem estar do idoso pode ser colocado em risco.

Embora o mais comum seja a família decidir pela internação de pais e outros familiares, as instituições também abrigam idosos saudáveis e independentes que preferem morar numa casa de repouso por sentirem mais conforto, segurança e terem mais contato com outras pessoas da mesma faixa etária. Uma condição básica que deve ser garantida aos idosos lúcidos que vivem numa casa de repouso é o direito de ir e vir, poder sair sozinho ou na companhia de familiares e amigos, receber visitas e telefonemas de quem desejar.

A escolha por uma casa de repouso boa, onde há conforto, higiene, cuidados ininterruptos e uma rotina especialmente adaptada para proporcionar bem estar aos seus moradores, não tem como ser uma escolha ruim. O mais importante para o idoso é a atenção e o amor que irá receber de seus entes queridos, independentemente do lugar em que ele resida. Optar por uma casa de repouso não é transferir a responsabilidade pelo familiar, é apenas uma extensão da ajuda no cuidado.

O importante é ter consciência de que qual seja a decisão, a família pode proporcionar carinho e atenção por meio de visitas constantes, levando o idoso para visitas e pequenos passeios. O mais importante para os idosos é a sensação de pertencimento, de amor e reconhecimento pelo seu legado.

Os profissionais que atuam em uma casa de qualidade, como a Casa de Repouso Bem Me Care, são treinados para lidar com esse público especial da melhor maneira possível, com atendimento humanizado e repleto de carinho. A equipe de saúde é composta por profissionais qualificados como médicos geriatras, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, cuidadores de idosos e recreadores, entre outros. São locais equipados para lidar com eventuais situações de emergência, cuidados especiais de saúde, preparados e adaptados para melhor mobilidade dos idosos, com espaços reservados para atividades recreativas e de convivência com outros idosos.