Enfisema Pulmonar em Idosos

Enfisema pulmonar é uma doença degenerativa que diminui a elasticidade do pulmão, causando dificuldade para a saída do ar. É parte de um grupo de doenças pulmonares, como asma e bronquite, que interfere na respiração normal. À medida que os danos progridem, o esforço para respirar aumenta e por esse motivo, é muito comum a enfisema pulmonar em idosos.

Surge após muitos anos de bronquite, asma, fibrose cística, exposição ao cigarro e outras toxinas presentes no ar que destroem os pequenos sacos de ar no pulmão, os alvéolos, que incham quando transportam oxigênio do ar para os pulmões e encolhem para forçar o dióxido de carbono para fora.

O principal sintoma da enfisema pulmonar é a grande dificuldade de respirar e a sensação de não ter ar suficiente. Também ocorre mal estar ao realizar caminhada, subida de escadas ou até mesmo nos pequenos esforços, como tomar banho. A pessoa pode visitar o médico inicialmente porque sentiu falta de ar durante uma atividade, mas a medida que a doença progride os sintomas podem ficar mais constantes, como tosse crônica com catarro, fraqueza generalizada, tórax inchado, perda de peso e agitação. Também ocorre ansiedade severa relacionada com a grande dificuldade de respirar. Além dos sintomas, o diagnóstico da enfisema pulmonar se faz com exames de sangue, raio-x de tórax, tomografia e espirometria.

Quem trata do paciente com enfisema pulmonar é o pneumologista, que orienta o tratamento através de exame no peito do paciente, observação dos padrões de respiração e monitoração do esforço que a pessoa faz para respirar. O exame também incluirá a observação do grau de inflação total dos pulmões, escutar o peito com um estetoscópio para ouvir o fluxo de ar, e escutar sons que determinam a taxa e ritmo de qualquer sinal de esforço violento do coração, que pode acompanhar os estágios avançados de enfisema, além do histórico de vida do paciente

Fisioterapia, cirurgia e oxigenioterapia são as formas de tratamento mais indicadas para tratar e diminuir os sintomas da enfisema pulmonar. Respirar lentamente, profundamente, usando a técnica do lábio estirado. O paciente deverá ter recursos para que o medicamento seja administrado em dose certa, na hora certa e via certa.

Milhões de pessoas no mundo todo sofrem de enfisema pulmonar, e o tabagismo é considerado a causa principal dessa doença. Acredita-se também que a exposição à poluição e detritos no trabalho, além de inalação de fumaça de cigarro sejam fatores que contribuem para o surgimento da enfisema pulmonar.

Há várias opções de tratamento que podem ajudar pacientes com enfisema, porém o passo mais importante é parar de fumar. Quando as obstruções de fluxo de ar ainda são leves ou moderadas retarda-se o desenvolvimento da falta de ar incapacitante. Porém, parar de fumar em qualquer ponto da doença é benéfico. Pessoas com enfisema pulmonar também devem evitar exposição a outros poluentes no ar.

As opções de tratamento da enfisema pulmonar incluem remédios broncodilatadores, anti-inflamatórios corticosteróides, terapia com oxigênio, cirurgia de redução dos pulmões, transplante de pulmão e programa de exercícios físicos.

Enfisema Pulmonar é uma doença séria e incurável, e a partir do diagnóstico comprovado faz a pessoa ficar refém de medicamentos e tratamentos para o resto da vida. No entanto, estudos mostram que a reabilitação pulmonar pode ensinar o paciente a respirar de uma maneira diferente, especialmente em idosos, público que mais sofre do problema, melhorando e muito a qualidade de vida.