Os Perigos da Trombose e da Embolia Pulmonar em Idosos

Trombose é um coágulo de sangue nas veias que normalmente ocorre nas pernas, coxas ou quadris. Quando se desprende, esse coágulo entra na circulação, entupindo a artéria que transporta sangue para os pulmões, dificultando o recebimento de oxigênio, causando uma embolia pulmonar.

Trombose e embolia pulmonar são mais frequentes em idosos. O coágulo pode ser formado por sangue, líquido amniótico, bolhas de ar, parasitas e células cancerosas. Às vezes, mais de um coágulo pode se deslocar até o pulmão ao mesmo tempo, acometendo mais de uma artéria. Se o coágulo for pequeno, poderá não ter nenhum problema ou sintoma, pois como defesa, nosso organismo reage tentando limitar os danos. Já coágulos grandes provocam a morte do tecido pulmonar, necrosando grande parte do pulmão, gerando danos severos ou provocando a morte.

A falta de circulação de sangue causada pela embolia pulmonar em idosos gera sintomas como falta de ar, dor no peito ao respirar, lábios e pontas dos dedos arroxeadas. Nesse caso, a pessoa deve procurar auxílio médico o quanto antes. Além disso, há uma sobrecarga de esforço que faz o coração trabalhar muito mais rápido para que o sangue chegue a todo pulmão.

A embolia pulmonar em idosos é mais comum do que em pessoas mais jovens, por isso é fundamental que tenham acompanhamento médico que monitore as alterações na circulação e previna o quadro. Na origem da embolia pulmonar em idosos está a trombose venosa profunda, que forma coágulos nas veias devido à estagnação do sangue, responsável por muitos casos de morte súbita em idosos. Pode ocorrer devido ao mau funcionamento dos vasos sanguíneos, que vão perdendo a capacidade de contrair e relaxar corretamente ao longo do tempo ou problemas de coagulação.

Idosos acamados que ficam vários dias deitados ou sentados têm maior risco de ter trombose que leva à embolia pulmonar. Para evitar, é importante que façam exercícios nos membros todos os dias e troquem de posição a cada 2 horas. Idosos acamados que não conseguem se movimentar sozinhos devem ter ajuda de outra pessoa.Medicações anticoagulantes em doses preventivas podem ser utilizadas em idosos acamados.

Qualquer viagem por mais de quatro horas aumenta o risco de uma trombose em idoso,devido ao fato de se passar muito tempo na mesma posição. É aconselhado nessas situações fazer movimentos de braços e pernas a cada 30 minutos, além de se beber água regularmente para o sangue ficar mais líquido.

A partir dos 40 anos o risco de formação de coágulos de sangue no pós-operatório é maior. O perigo está ligado à diminuição de atividade física nessa fase, tipo de intervenção, medicação administrada e histórico médico.

Outras causas que contribuem para trombose em idosos são uso de remédios de tratamento hormonal, obesidade, histórico familiar, problemas de coagulação, infarto, AVC, tabagismo, câncer, sedentarismo, pouca mobilidade, cirurgias, varizes, hipertensão, diabetes e predisposição para coagulopatia.

O diagnóstico da embolia pulmonar em idosos é difícil, feito pela suspeita dos sintomas, junto com a análise do histórico médico.Exames como gasometria arterial, cintilografia pulmonar, angiotomografia ou ressonância magnética podem confirmar o diagnóstico.

Também conhecida como infarto pulmonar ou tromboembolismo pulmonar, a embolia pulmonar em idosos é um problema grave que deve ser tratado o mais rápido possível no hospital, com medicação intravenosa, oxigênio e, nos casos mais graves, cirurgia. Porém, se tratada correta e rapidamente, tem boas chances de cura e nem sempre deixa sequelas.

Para prevenção de trombose e embolia pulmonar nos idosos é indicado controlar o peso, evitar ficar muito tempo parado, praticar atividade física e consultar o médico sobre o uso de meias elásticas em viagens longas (nunca utilize sem orientação).