Quedas em Idosos e o Impacto na Qualidade de Vida

As Quedas em Idosos são um problema sério que deve receber muita atenção. O envelhecimento faz com que o organismo se altere de forma progressiva, causando maior fragilidade óssea e reduzindo aos poucos a capacidade do idoso para executar atividades funcionais, afetando seu equilíbrio e aumentando o risco de quedas.

Uma simples queda pode marcar o início do declínio da saúde do idoso e o fim da sua independência, como também pode ser um sintoma indicativo de uma doença nova. Fraturas ósseas são as consequências mais conhecidas das quedas de idosos, mas também há outros riscos como quebra da bacia e traumas no cérebro, coluna, medula espinhal e nervos periféricos, entre outros.

As causas das quedas de idosos variam bastante, como as condições do ambiente, sedentarismo, doenças, condições físicas como pouca capacidade visual ou alguns medicamentos de uso contínuo utilizados pelo paciente. Algumas doenças comprometem a integridade muscular e óssea do idoso, como artrose, osteoporose e labirintite, resultando em perda do equilíbrio e fraqueza. Doenças cardíacas, problemas neurológicos e deficiência nutricional também predispõem o idoso à queda.

A ocorrência de queda do idoso é bastante comum e deve ser evitada, pois causa grande impacto na qualidade de vida do idoso, como imobilização, hospitalização, internação por um longo período, cirurgias, dependência de locomoção e até mesmo a morte.

Além dos danos físicos, as quedas refletem negativamente na qualidade de vida dos idosos, pois causam problemas emocionais como perda de confiança, baixa autoestima e isolamento social. O constante medo de cair pode modificar os hábitos, causando o abandono de atividades, gerando sedentarismo, que por sua vez, aumenta o risco de quedas. É bastante comum que a queda do idoso gere depressão, uma doença muito perigosa para essa população.

A queda do idoso pode assumir um significado de decadência e fracasso, gerado pela percepção da perda de capacidade e aumento da sua vulnerabilidade. Ao contrário do que muitas pessoas possam imaginar, o risco de quedas em idosos existe não somente na rua, mas também em casa, em seu ambiente doméstico.

Após ocorrer uma queda, o idoso pode apresentar dificuldade em realizar tarefas que garantem sua independência, como levantar da cama, tomar banho, caminhar fora de casa, realizar compras, se alimentar e subir escadas.

A conscientização dos idosos, cuidadores e familiares deve ser feita por meio de orientações contínuas, com o intuito de torná-los mais atentos e cautelosos em relação ao risco de quedas. Embora não seja fácil prevenir, o risco de quedas de idosos pode ser diminuído com algumas medidas simples, mas muito importantes. Devem ser evitados pisos escorregadios, encerados e molhados, tapetes soltos ou com dobras, assentos sanitários muito baixos, mesas e cadeiras instáveis, prateleiras muito altas, objetos no chão ou obstáculos no caminho, como fios. Na casa, é importante ter iluminação adequada, barras de segurança que auxiliem alguns movimentos e que as escadas tenham corrimão. Os idosos devem usar calçados apropriados e evitar roupas excessivamente compridas. Na rua, evitar calçadas esburacadas e tomar muito cuidado com degraus muito altos.

Deixe as áreas de maior circulação livres de móveis, prefira móveis sem quinas com altura acessível. Os assentos de sofás e poltronas não devem ser muito macios, pois dificultam no momento de levantar. Ilumine todos os ambientes da casa, com interruptores nas entradas e saídas dos ambientes. No banheiro, substitua o sabonete em barra pelo líquido e deixe as portas com abertura para o lado de fora. Nada de tapetes e cuidado para não tropeçar em animais de estimação.

Além de melhorar o ambiente para o idoso, deve-se realizar exames oftalmológicos regularmente, manter uma dieta saudável rica em cálcio, vitamina D e banhos de sol frequentes para fortalecimento dos ossos. Rotular os medicamentos e tomá-los na hora certa e procurar seguir um programa de atividades físicas que visem o equilíbrio, coordenação e força muscular também ajudam a evitar. A prática de exercícios físicos tem se mostrado muito eficaz na prevenção de quedas de idosos, melhorando sua habilidade de enfrentar desafios e equilíbrio.