As principais doenças que afetam os idosos no Brasil

O avanço da idade torna a saúde dos idosos muito mais delicada e suscetível à doenças, por isso é importante que seja acompanhada com bastante atenção. De acordo com o IBGE, três em cada quatro idosos sofrem de alguma doença crônica, sendo a maioria delas incurável. Mas, parte dessas doenças pode ser controlada e muitas vezes prevenida, desde que haja uma melhoria no estilo de vida, uma dieta balanceada e a prática regular de atividades físicas.

Entre as doenças que mais atingem os idosos no Brasil, as doenças do coração são as campeãs. Infarto e angina, entre outros, consiste no entupimento das artérias coronarianas, que levam sangue ao coração.

Acidente vascular verebral ou AVC. A forma mais grave da doença cerebrovascular é quando ocorre o derrame, mas também existem outras formas menos dramáticas, mas que também prejudicam a autonomia do idoso. É uma das principais causas de morte ou incapacidade física e mental, provocando dificuldade de fala, compreensão e alimentação.

De origem genética ou causada pelo estilo de vida irregular, a hipertensão arterial é caracterizada quando há a elevação da pressão arterial. Mais do que uma pressão alta, a doença cardíaca hipertensiva  ocorre quando a pressão arterial fica elevada por anos seguidos, podendo causar enfraquecimento do músculo do coração e causando uma série de doenças. Num grau mais avançado, isso vira insuficiência cardíaca, ou seja, coração inchado. Existem outras causas de insuficiência cardíaca além da doença cardíaca hipertensiva.

A diabetes mellitus  atinge pessoas de todas as idades, mas com o passar da idade, precisa ser acompanhada de perto, devido aos problemas colaterais causados por ela. A tendência é que a doença progrida junto com a idade.

Como efeitos do tabagismo da juventude, a enfisema pulmonar e a bronquite crônica são muito comuns. Embora nem todos os idosos portadores dessas enfermidades sejam fumantes, foi comprovado que o consumo de cigarros ao longo da vida aumente consideravelmente as chances de desenvolvimento dessas doenças. Espera-se que, como consequência do combate ao tabagismo, nas próximas décadas o problema diminua. E qualquer doença respiratória em um idoso deve ser acompanhada com muita atenção.

O Mal de Alzheimer causa demência e é muito comuns em idosos. É caracterizado por mudanças nas terminações nervosas e células cerebrais que interferem nas funções cognitivas, que nos permitem perceber, elaborar e expressar sentimentos e opiniões. Os sintomas mais comuns são perda de memória e confusão mental, este por consequência, causa dificuldade de comunicação. Também pode ser confundida com depressão e doenças respiratórias (a dificuldade em respirar pode deixar o idoso confuso). Na fase mais grave, o idoso fica totalmente dependente de terceiros e geralmente restrito ao leito. Nessa fase é necessário um cuidador em tempo integral ou internação em casa de repouso. Não se sabe as causas, ainda não tem cura e manifesta-se com mais frequência a partir de 65 anos de idade.

O Mal de Parkinson é um distúrbio cerebral que provoca deterioração progressiva, rigidez muscular, tremores involuntários, lentidão dos movimentos e até mesmo dificuldade para engolir os alimentos. Normalmente se manifesta a partir de 60 anos, porém há casos ocorridos em pessoas na faixa dos 30 anos. É uma doença progressiva e influencia a sociabilidade do indivíduo, dificultando o seu interesse e criando problemas para o relacionamento familiar e social. Também não tem cura nem origem conhecida, porém, existem meios de retardar o seu progresso, como cirurgias, medicamentos, fisioterapia, sessões de fonoaudiologia e terapia ocupacional.

A Perda de audição não é exatamente uma doença, e sim, uma condição crônica. Algumas pessoas realmente perdem a audição com a idade e o aparelho de audição pode ajudar muito na reintegração dessas pessoas à sociedade. Alguns casos são mais simples, como ouvido entupido por cera. Por esse motivo, é bom evitar o uso de cotonetes no ouvido.

Muita gente não sabe, mas a vacina contra a gripe suína ou comum também previne a Pneumonia, esse é um dos motivos dos idosos a receberem. É importante a prevenção de outras doenças, para que a pessoa não fique acamada ou debilitada, pois isso pode acabar causando uma pneumonia no idoso, cuja recuperação é muito mais lenta do que em pessoas mais jovens.

A osteoartrose é o tipo mais comum de reumatismo. É o desgaste das articulações, podendo atingir coluna, joelhos, quadril e mãos.

A osteoporose é a fragilidade dos ossos causada por falta de cálcio, que causa mais dificuldade para se recuperar de fraturas. É uma doença silenciosa, com poucos sintomas, afeta a estrutura dos ossos tornando-os frágeis e diminuindo sua capacidade de suportar o peso corporal. Atinge cada vez mais pessoas e atualmente estima-se que perto de 10% da população brasileira sofre do problema. Por ter menor resistência a traumas, são fraturas comuns no idoso, principalmente no fêmur, quadril, coluna e punho.

Catarata: doença que prejudica a visão, podendo ser tratada com facilidade. O olho humano tem uma lente, chamada cristalino, por onde a luz passa para chegar até a retina. Com a idade o cristalino fica cada vez menos transparente, é o que chamamos de catarata, mas o tratamento cirúrgico só deve ser feito se a catarata estiver incomodando a pessoa.

A maioria dessas doenças pode ser prevenida ou adiada com um estilo de vida saudável e tratamentos adequados, mas esses cuidados não garantem completamente a manifestação dessas doenças. Mesmo assim, é importante privilegiar ações preventivas, de tratamento e recuperação que preservem a autonomia da pessoa idosa, ou seja, que permitam ao idoso continuar desempenhando suas atividades, sem depender totalmente da ajuda dos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *